Blog

A revolução do vídeo na internet
26.09.2017
A revolução do vídeo na internet

A consolidação das transmissões ao vivo online e dos serviços de streaming está transformando a lógica de consumo de conteúdo na internet e offline. Essa revolução tornou o formato de vídeo líder entre os outros tipos de interação com o público. Segundo o Google, entre 2014 e 2017 o consumo de vídeo na internet cresceu 90,1%. No mesmo período, o consumo de TV cresceu apenas 3,1%. Mais dinâmico e real, esse formato permite uma comunicação mais completa com o consumidor.

A relação do vídeo com a internet se torna ainda mais forte através do mobile. Diferente da televisão, onde o conteúdo é fixo na programação e precisa de conexão específica para ser transmitido, nos dispositivos móveis os vídeos permanecem disponíveis e dependem apenas de internet para ser transmitidos. Em 2020, mais de 75% do tráfego mundial de dados móveis será de vídeo, segundo a Cisco. 

O ao vivo também tomou nova configuração através dos vídeos online. Além de continuarem disponíveis mesmo após as transmissões, em redes sociais como Instagram e  Facebook, os vídeos transmitidos ao vivo fornecem maior credibilidade às marcas. Produzir conteúdo em tempo real aproxima empresas e clientes por se tratar de um material sem edição e, portanto, mais espontâneo.

O mesmo tipo de conteúdo se aplica a vídeos mais curtos nas redes sociais, que alcançaram grande popularidade ao divulgar drops de informação. A Tastemade, comunidade global sobre gastronomia, é um exemplo de case de sucesso. Todo o conteúdo produzido pela empresa de entretenimento online - em diversas plataformas como aplicativo, site e redes sociais - é exclusivamente feito em vídeo com receitas de todo o tipo. Marcas que utilizam vídeo, assim como a Tastemade, estão mudando a forma de compartilhar informação e entretenimento no mundo.

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Notícias Relacionadas